caminho.para.paz

setembro 20, 2011

 

Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão. – Mt 5.25

 

Num jogo de futebol não é o apito final que decide o resultado, mas como jogamos a partida. Da mesma forma, a forma como caminhamos determina aonde e como chegaremos. Precisamos pensar em como queremos estar no final da jornada para escolher como trilhá-la.

 

Se eu for vender um carro, por exemplo, não viajarei com ele por uma estrada de terra. Isso pode sujar o carro e prejudicar minha venda. Do mesmo jeito, nenhum atleta vai correndo para uma prova atlética, pois precisará estar descansado quando lá estiver.

 

O texto acima diz que cada passo que damos na estrada da vida sem paz é um passo a mais que damos em direção ao ódio. E cada passo que trilhamos sem reconciliação é um passo mais próximo de nossa própria condenação.

 

Jesus nos ensina a termos pressa na reconciliação, porque sabe à que resultado isso nos leva. Assim como uma estrada para o norte não nos leva ao sul, um caminho percorrido em inimizade não pode resultar em Paz. Como está escrito: uma árvore ruim não pode produzir bons frutos.

 

Precisamos para de procurar caminhos de culpa e começarmos a procurar caminhos para a Paz em nossos relacionamentos. Uma jornada em direção à Paz não é trilhada sem Perdão. E uma jornada rumo à Salvação não é trilhada sem Amor. Que Deus lhe abençoe com o dom da reconciliação, para que o final de sua jornada seja Salvação.

 

ousados.para.amar

agosto 31, 2011

 

E disse: Eis que agora me atrevi a falar ao Senhor: Se porventura se acharem ali vinte? E disse: Não a destruirei por amor dos vinte. 

Disse mais: Ora, não se ire o Senhor, que ainda só mais esta vez falo: Se porventura se acharem ali dez? E disse: Não a destruirei por amor dos dez. – Gn 18.31-32

 

Temos ousadia para pedir aumentos salariais. Temos ousadia para falar a “verdade” pra aqueles que pisam na bola conosco. Temos ousadia pra nos inflar e mostrar de que somos capazes. Temos ousadia para brigar. Mas somos covardes para amar.

 

Nossos corações transbordam quando estamos sob holofotes, gritam quando estamos vencendo e humilham quando estamos no poder. Mas ficam enfraquecidos e frágeis quando precisamos parar de pensar em nós para pensarmos no outro que sofre.

 

Abraão, neste texto, havia acabado de receber uma benção inigualável: seria pai em sua velhice. Mas, ainda que a felicidade transbordasse em seu coração, não deixou a vaidade subir ao coração. Ele ousou pedir ao que Senhor livrasse as pessoas de Sodoma da destruição.

 

Quantas vezes temos ganhado destaque em nossos empregos, famílias, esportes ou até mesmo na igreja? Agora pense, quantas dessas vitórias temos usado para pedir por aqueles que sofrem? Quantas vezes temos ousado pedir por aqueles que necessitam de auxílio?

 

Ousadia usada para nós mesmos não é ousadia, é egocentrismo e vaidade. A verdadeira ousadia cristã está em enfrentar multidões, afrontas, doenças e inimizades para que alguns possam se salvar. A verdadeira ousadia cristã é amar. Que sejamos ousados para amar e tímidos para nos exaltar.

não.fuja.da.dieta

agosto 30, 2011

 

E [a serpente] disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?

Respondeu a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim podemos comer,  mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais. – Gn 3.1-3 

 

Tudo o que preciso pra fugir da dieta é um convite. Não preciso que me obriguem a comer, que me enganem sobre o valor calórico de algo ou que derretam chocolates no meu refrigerante diet. Gosto de ser enganado pra poder errar “em paz”.

 

Na maioria das vezes não erramos por desconhecer o erro, mas pelo simples fato de que queremos errar. Tudo o que precisamos é um empurrão, uma desculpa, um álibi para nos encher de coragem para cometer os erros que desejamos. E desejamos ardentemente errar.

 

A serpente não enganou Eva. Eva inclusive corrigiu a serpente quando ela sutilmente distorceu e generalizou a ordem divina. Ela sabia o que poderia fazer e o que não deveria fazer e não se espantou com a meia mentira da serpente. O que o próximo versículo diz é que Eva foi seduzida pelos atributos do fruto, os atributos do pecado.

 

É simples culparmos alguém por nossos erros. Nossas responsabilidades sobre os atos parece que se dissipam e aquele que nos incentivou ao erro é demonizado. Mas isso não nos tira a culpa. Porque não pecamos porque fomos convencidos de que é certo, pecamos porque queremos pecar, nos enganando a nós mesmos dizendo que aquilo era certo.

 

Enquanto vivermos culpando os outros, sejam serpentes, homens ou demônios, jamais perceberemos os erros que estão em nós. E enquanto não os reconhecermos não poderemos pedir e receber o perdão por eles. Por isso, não fuja de sua dieta de justiça, reconheça seus erros e aquele que lhe salvou, Jesus Cristo, o perdoará.

famosos.desconhecidos

agosto 29, 2011

Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? e não estão aqui conosco suas irmãs? E escandalizavam-se nele. – Mc 6.3

Recitamos frases de cantores, sabemos com quem casam os atores, sabemos quando brigam ou se reconciliam. Sabemos quando os cantores namoram e quando jogam. Sabemos muito sobre pessoas famosas, mas não as conhecemos.

Sem a conversa, o toque, o olhar cara a cara, sem que andemos lado a lado ou desfrutemos de uma refeição juntos, não podemos dizer que conhecemos alguém. Porque ainda que descrevamos alguém, pessoas não são descrições e ainda que conheçamos sua fama, a fama é uma ilusão incapaz de definir alguém.

As pessoas do texto acima sabiam que Jesus era carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Judas e Simão, mas não o conheciam, somente conheciam sua fama, sabiam das fofocas da cidade e sua descrição. Então se escandalizaram e Jesus não pode fazer muito ali, porque não creram nele.

Geralmente não entendemos porque Jesus pedia que não divulgassem suas curas ou mesmo que dissessem ser Ele o Messias. Mas Jesus o fazia porque não desejava que conhecessem sua fama ou seus feitos, mas que tivessem acesso à Ele e assim o conhecessem.

Nosso amor, nossa fé, não pode estar firmada sobre a fama ou o conhecimento de alguém sobre algo. A fama engana e o que os outros dizem nos despista e não nos permite conhecer os traços reais de alguém. Por isso desejo que você possa a cada dia desconhecer a fama de Jesus, mas ser abençoado ao conhecer o Jesus da fama.


canções.não.escritas

novembro 30, 2010

Sinto falta das músicas ainda não compostas. Sinto falta dos sentimentos ainda não estampados em papéis, dos sonhos que ainda não foram harmonizados e das verdades jamais descritas. Eu necessito urgentemente que o hoje vire poesia, para que eu deixe de viver no passado.

Quem nunca sentiu aquele sentimento nostálgico ao ouvir uma canção? Quando as notas deixam de ser simples sons, mas lembram cheiros, rostos, realizações, sentimentos e verdades? Quando o passado torna-se a perfeição e o presente somente decadência e ruína? Quem nunca quis voltar ao invés de avançar?

A verdade é que fomos feitos para viver cada momento somente uma vez. Nenhuma de nossas realizações voltará, nenhum de nossos atos será igual, nenhum relacionamento estará novamente num patamar em que já esteve. Eu e você nunca mais viveremos o passado novamente.

Mas o que fazer quando nosso presente não representa mais a felicidade para nós? Quando o hoje parece ter se perdido em meio as sombras do passado e desejos do futuro, perdendo seu significado? O que fazer se já não sou mais feliz hoje?

Cantem ao Senhor um novo cântico, seu louvor desde os confins da terra, vocês, que navegam no mar, e tudo o que nele existe, vocês, ilhas, e todos os seus habitantes. Is 42.10

Há alguns anos atrás uma expressão era muito utilizada. Ela apontava quando uma pessoa não parava de reclamar, pedir ou falar de uma mesma coisa durante muito tempo, falavam que essa pessoa estava com o disco riscado. E é exatamente sobre isso que este versículo fala, sobre pessoas com o disco riscado.

Esse versículo nos ensina sobre um povo que, por estar marcado por tantos atos milagrosos de Deus no passado, havia se esquecido que as ações e promessas de Deus os alcançavam até o presente e lhes renderiam Vida e Salvação até o futuro e durante toda a eternidade.

E a solução dada pelo profeta à esse problema é simples: cantem um novo cântico. Parem de cantar sobre vitórias do passado e enxerguem a atualidade e perenidade dos atos de Deus em suas vidas. Parem de fazer poesia sobre o que Deus já fez e façam poesia sobre o que Ele tem feito hoje, desde os tempos antigos.

Hoje talvez seu presente pareça menos atrativo que seu passado. Talvez você esteja, como eu, sentindo falta de novas canções, novos momentos, novas alegrias. Talvez você precise de um novo momento. Se o seu hoje não estiver sendo marcante, pare novamente e reflita sobre o que Deus tem feito e enxergue a poesia das obras de Deus em sua vida. Enxergue a poesia, a canção na Salvação de Jesus Cristo na cruz por você.

Cante canções não escritas, canções sobre um Deus está fazendo e não sobre um que já fez há muitos anos. Celebre a vida viva que Deus nos dá, entregando-nos Salvação e Vida desde a eternidade e até a eternidade.

Deus os abençoe!

despeça-se.de.si.mesmo

maio 30, 2010

Hoje gostaria de me despedir. Não, não quero dizer que pararei de escrever aqui e também não quer dizer que irei para outro lugar. Não significa também, do mesmo modo, que você se mudará. Me despeço aqui de mim mesmo. Não se assuste, não farei algo contra mim. O que quero dizer é que decido hoje parar de servir à mim mesmo.

E não existe poesia no porque decido fazer isso nessa noite. A simples verdade é que não fui feito para isso e acredito, da mesma forma, que você também não foi. Você não ganhou braços para abraçar-se, não ganhou pernas para correr para si mesmo, não ganhou um coração para bater por si próprio, não ganhou uma mente para pensar em si.

A verdade é que eu fui feito especialmente para você e você foi feito especialmente para mim. Repare, eu não estou falando com Deus ou sobre Deus, eu estou falando com você, que lê hoje esse texto. E, pelo simples fato de você existir e ler esse texto, sei que tenho completa razão no que eu digo.

Gostaria de falar com você hoje sobre Ezequiel 34, especificamente sobre o segundo versículo:

Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profetiza e diz-lhes: Assim diz o Senhor Deus: Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não apascentarão os pastores as ovelhas? Ez 34.2

Lendo esse texto você poderia dizer: Mas não é lógico que esses pastores deveriam apascentar as ovelhas? Para que servem pastores senão para pastorearem ovelhas? E eu seria obrigado a lhe perguntar: Mas e você para que serve?

Para que servem pregadores? Para que servem ministros de louvor? Para que servem intercessores? Para que servem conselheiros? Para que servem mestres? Para que servem os líderes? Para que servem cristãos?

E se você sabe para que servem, porque você prega para si mesmo? Porque você ora por si mesmo? Porque você louva ao invés de ministrar o louvor? Porque você usa o aconselhamento para entender seus próprios problemas? Porque você busca o conhecimento para si próprio e não o compartilha? Porque você não orienta seus liderados? Porque você não ama o próximo, mas só a si mesmo?

Muitas vezes ouvi em igrejas que quando pregasse, deveria fazê-lo primeiro à mim mesmo. Mas a verdade é que Deus não me permitiu pregar para que o fizesse à mim mesmo, senão todos os profetas teriam de ser mudos. Ele me fez pregar para que pregasse aos outros, por isso me deu uma boca e um teclado. Ele lhe deu o dom de cura para curar ao próximo, Ele lhe deu o amor para amar ao próximo.

Negligenciamos muitas vezes o nosso próximo por causa de nosso “eu” e usamos erroneamente os nossos dons quando deles nos servimos. Mas a verdade é que enquanto não nos desligarmos de nós mesmos e pararmos de servir a nós mesmos o nosso próximo não terá espaço para nos servir e nós, ao mesmo tempo – e o que é muito constrangedor, não teremos espaço para servimos ao próximo, porque ocuparemos toda a agenda conosco.

Por isso hoje tomo a decisão de despedir-me de mim mesmo, de parar de pregar e apascentar-me a mim mesmo e decido fazê-lo por você meu irmão, pois sei que isso é o que Deus preparou para mim. E sei que enquanto eu o estiver servindo, você me servirá em amor e seremos corpo. E saberei que serei melhor cuidado pelos meus irmãos do que por mim mesmo.

Despeça-se de si mesmo e sirva ao seu irmão e assim seremos verdadeiramente um corpo em Cristo.

Que Deus o abençoe!

fantasias.de.amor

maio 12, 2010

Gostamos de nos fantasiar. E gostamos pelo simples fato de que apatrechos que distorcem a nossa aparência são suficientes para esconder todos aqueles erros que compõe o que temos coragem de chamar “caráter”. Podemos fazer o que quisermos se estivermos fantasiados.

Fantasias podem ser das mais variadas formas e gêneros. Fantasias de festa são aquelas que usamos para nos divertir, fazer concursos e dançar um pouco. Essas escondem nossos rostos corados de vergonha. Mas o problema das fantasias é que na maioria das vezes não é pelo corar do rosto que as usamos.

Usamos fantasias em nossas expressões, quando dizemos “tudo bem”, usamos fantasias em nossos gestos em nossos abraços “fraternos”, usamos fantasias em nossa índole quando executamos um papel em tal parte da sociedade, que achamos que não nos receberia bem se vissem quem somos.

Mas fantasias caem, se destroem ou precisam ser removidas hora ou outra e é quando uma dessas coisas acontece que vemos como as pessoas são. E na Bíblia podemos ver algumas fantasias caindo. Um desses relatos é contado pelo profeta Ezequiel:

Eles vêm a ti, com o povo costuma vir, e se assentam diante de ti como meu povo, e ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra; pois, com a boca, professam muito amor, mas o coração só ambiciona lucro. Ez 33.31

Talvez você já tenha visto essa cena em uma sala de aula. Os alunos chegam na sala de aula e ficam em silêncio somente pelo balbuciar do professor. Eles olham e até meneam a cabeça afirmativamente, como se concordassem com tudo o que o professor diz. Mas o que não vemos são as mensagens sobre outros assuntos sendo repassadas por debaixo da carteira ou a cola no momento da prova.

A questão é que aqueles alunos estão ali somente pela nota. Eles não se importam se aprenderão ou não algo, somente querem ser aprovados, porque isso implicitamente lhes aponta que terão um emprego, que pagará seus luxos e abusos no futuro. A mesma história se repete no emprego, quando ouvimos nossos chefes e adulteramos ou fazemos de mal-grado os projetos.

Somos assim com Deus.

Vamos na igreja e nos disfarçamos de bons homens ou mulheres. Aprovamos aquilo que o pregador diz e até incentivamos sua prática, isso quando não chegamos ao ponto máximo do hipócrita: apontamos o erro de outros que não procedem daquela forma. Mas chegamos na rua e negamos alimento aos necessitados, em casa negamos o amor aos filhos, esposa ou aos irmãos e no trabalho negamos a honestidade.

A verdade é que temos somente aparência de amor, aparência de caridade, aparência de verdade. Usamos fantasias de amor, mas não “ousamos” praticá-lo, porque ele não cairá bem aos nossos propósitos. Queremos o dinheiro, não o trabalho, queremos a autoridade, não o relacionamento, queremos o prazer, não o carinho.

Queremos e gostamos de uma mentira, vivemos e aprovamos a hipocrisia, porque amamos nossas fantasias. E, assim como o povo de Israel, nos tempos de Ezequiel, queriam e esperavam somente os lucros das profecias, nós também só queremos usar o amor para alcançar aquilo que mais desejamos: poder, autoridade, dinheiro e prazeres.

E Deus ano após ano quer nos dizer que paremos de nos fantasiar. Que paremos de usar nossos reflexos como espelhos para nós mesmos, como se fôssemos bons. Ele deseja te perdoar e me perdoar não pelo que fingimos ser, mas deseja perdoar-nos pelos nossos erros verdadeiros.

Não use fantasias de amor ou piedade, mas se confesse sem fantasias ou mentiras à Cristo e Ele não lhe dará uma fantasia de Salvação, mas sim uma Salvação e Vida Eterna reais.

Que Deus o abençoe!